segunda-feira, 25 de abril de 2016

Untwine: Negociações Planetárias - o Poder que nós temos

Existem negociações constantes relativas à situação na Terra entre as forças da Luz e as forças da escuridão. Pouca informação acerca das mesmas chega até nós, mas são decisivas para o que acontece connosco. Um dos temas principais destas negociações somos nós, a população da superfície, visto sermos mantidos reféns pelas trevas. As forças da Luz são muito mais numerosas e têm muito mais poder do que as forças das trevas, mas ao ter feito reféns, deu às forças obscuras mais poder nas negociações. É como uma situação de assalto a um banco. Imagine que os criminosos (as forças das trevas) fazem reféns no interior do edifício (nós na superfície da Terra) com armas apontadas para elas e bombas espalhadas por todo o edifício, que vão disparar automaticamente se alguém entrar (as bombas strangelet). Mesmo o exército mais numeroso e sofisticado, posicionado no exterior do edifício, tem de ser cuidadoso nas suas acções (as forças da Luz). Citando Cobra:
“[As forças das trevas] logo descobriram que fazer reféns alavanca o seu poder de forma mais eficaz contra as forças da Luz, porque as forças da Luz preocupam-se com os seus, o que tem dificultado as suas acções, muitas vezes, para que os seres da Luz feitos reféns pela escuridão não fossem magoados.” (Fonte: http://2012portal.blogspot.com/2014/03/quarantine-earth-endgame.html)

Se não existissem seres mantidos como reféns, as forças da Luz poderiam ter terminado toda esta situação há já algum tempo atrás, bastaria terem investido contra as forças das trevas sem terem de conter-se para evitar que seres inocentes se magoassem. Sabemos que, de qualquer maneira, muitos seres inocentes sofrem todos os dias sob a quarentena, mas as consequências do accionar das armas exóticas seria bem pior. Por outro lado, a Luz demonstrou a superioridade do seu poder várias vezes e, nesta condição, as trevas e a Luz têm que negociar. 


Um dos pontos principal da negociação foi que ambos os lados concordaram em não entrar em contacto, ou não interferir directamente e fisicamente connosco - a população da superfície. Isto significa que os ETs positivos e outros seres de Luz não podem estabelecer contacto físico connosco, e que a Chimera, reptilianos e outros, não podem fazer o que querem. Citando Cobra:

“As forças da Luz foram forçadas a assinar um tratado de não-interferência que afirma que eles não vão interferir directamente na superfície do planeta Terra e, por sua vez, a Chimera também não vai interferir directamente na superfície. Embora este tratado tenha sido bastante prejudicial para o desenvolvimento da Humanidade nos últimos 26.000 anos, ele também tem impedido que a Humanidade seja colhida directamente pela Chimera e os seus lacaios draconianos e reptilianos. Esta é a razão pela qual os agentes do Movimento de Resistência não estão a contactar os seres humanos na superfície do planeta. Este tratado é também a razão pela qual os reptilianos não comem seres humanos massivamente ao pequeno-almoço, e ao ar livre, nas cidades humanas na superfície depois de 1996, quando a sua presença na superfície do planeta era enorme, com 500 milhões de entidades presentes. Este tratado é também a razão pela qual as bombas strangelet não foram detonadas em muitas ocasiões. Assim que a ameaça da Chimera for erradicada, as forças da Luz irão intervir na superfície deste planeta directamente.” (Fonte: http://2012portal.blogspot.com/2015/02/solar-system-situation-update.html)

Este tratado não é respeitado em algumas ocasiões, criando sempre uma oportunidade para que o outro lado também não respeite o tratado. Se um ser humano na superfície for contactado pelas forças da Luz fisicamente, posteriormente, a população Humana da superfície é atacada fisicamente, e vice-versa, e se as trevas atacam fisicamente um ser Humano na superfície, então a Luz intervém mais directamente de uma forma ou de outra.

Aqui está um exemplo disto relatado por Cobra, quando ele foi questionado sobre o facto das trevas interferirem na petição para divulgar os programas espaciais secretos
"Nós não devemos ficar frustrados se a cabala começar a bloquear todos os esforços, porque cada vez que eles fazem isso, eles violam certos protocolos, e porque violaram esses protocolos, isso terá efeitos duradouros no processo de rendição e negociação finais. E, verdadeiramente, até acelera o processo do Evento”. (Fonte: http://prepareforchange.net/2016/03/27/03-21-16-cobra-march-interview/)

Este é o momento onde nós começamos a entender o poder que temos, enquanto população da superfície, para influenciar a nossa situação. Na verdade, temos espaço para agir e começar iniciativas para a Luz sem que as trevas nos impeçam fisicamente, e podemos expressar a nossa vontade com palavras e acções e, ao fazermos isso, a escuridão é encurralada: se eles não nos pararem, então nós avançamos, e se eles tentarem impedir-nos, então isso cria espaço para a Luz intervir mais, e nós avançarmos também. A descoberta é imparável. A única incógnita é o tempo, e nós estamos aqui para ajudar a quebrar o status quo a favor da Luz para acelerar o processo. 


Além disso, a Luz pode não ser capaz de entrar em contacto connosco directamente, mas eles têm mais liberdade quando se trata de responder às nossas iniciativas, à nossas perguntas, à nossa tentativa de chegar até eles. Se formos nós a ter a iniciativa, então tecnicamente as forças de Luz não estão intervir, só estarão a dar resposta. Posso testemunhar isso pela minha própria experiência com o Cobra em vários projectos, como o de enterrar as pedras Cintamani por exemplo. Nem por um momento, ele teve a iniciativa de me propor fazer alguma coisa, ele só respondeu às minhas iniciativas quando acreditou que elas tinham potencial, quando ele tinha tempo e algo a acrescentar. Esta é a forma como o projecto para enterrar as pedras Cintamani começou ao redor do planeta, porque nós, como população da superfície, propusemos essa ideia e, depois, tivemos a orientação das forças de Luz através do Cobra. O facto de que Cobra pode ser contactado directamente pelas forças da Luz, é uma rara excepção nas negociações que vieram como resultado de eventos específicos. Citando Cobra novamente:

“Precisamos conseguir colocar uma pedra Cintamani na Antárctica o mais rapidamente possível, e isto precisa de ser feito pela população da superfície.” (Fonte: http://2012portal.blogspot.com/2016/03/situation-update.html)

Tratam-se de projectos em que só nós podemos fazê-los neste momento. Temos um papel único a desempenhar. É interessante notar que, no momento em que Cobra publicou isso, as pedras já tinham sido enterradas em todos os continentes excepto na Antárctida, e isso reflecte-se no facto que, a única rota de fuga que parecia ainda disponível para a cabala, ser através da Antárctida. Agora que a Antárctida já tem a Cintamani, espero que eles estejam a ficar sem opções. As forças da Luz poderiam, tecnicamente, ter enterrado todas as pedras com facilidade, mas eles não podiam fazê-lo por causa das negociações com as trevas, para evitar retaliações. Isto vai continuar desta forma, enquanto as trevas tiverem mecanismos suficientemente fortes de retaliação, mas que a Luz está a trabalhar para removê-los, o que pode ser um processo lento caso não estivermos a ajudar, ou pode ser um processo muito mais rápido, se nós tivermos iniciativa. Enterrar Cintamanis é apenas um exemplo, e que está perto de estar concluído agora, mas há muitas outras coisas que podemos fazer. Neste contexto, nos somos o ponto fulcral numa intensa batalha energética e de informação, onde a escuridão tenta manipular o nosso livre arbítrio, e a Luz tenta inspirar-nos para a acção positiva. No final, somos nós quem decide. Então, vamos observar a situação e perceber o que é necessário para a mudança positiva.

Precisamos de focar a nossa visão numa vida de Liberdade, Paz e Luz: a vida após a dualidade, após o Evento. Vamos imaginar como as coisas vão funcionar quando isto finalmente for alcançado e, com esta perspectiva, podemos observar a situação actual e trabalhar no nosso caminho, progressivamente dando um passo de cada vez para fazer tudo isso acontecer, tudo o que é necessário para que a nossa visão da Luz se manifeste. Perguntar-nos a cada dia, a cada momento, qual é o uso mais benéfico da nossa energia, e escolher fazê-lo, pois o nosso livre arbítrio em acção é a nossa principal ferramenta para a Libertação.



Vitória da Luz!