terça-feira, 10 de abril de 2018

Untwine: Triangulação, Transmutação, Evolução

O Universo origina-se em todos os aspectos na pura Unidade Absoluta (a Fonte), o que significa que, não há aqui ou ali, nem eu nem tu, nem antes ou depois, apenas a Unidade pura de tudo e de todos. A interacção entre a Fonte e a anomalia criou o Universo num processo de separação da energia da Unidade em polaridades opostas, e então, progressivamente, em várias fracções de energia da Unidade em polaridades opostas à medida que o Universo se expande.


A evolução é a jornada de volta a casa em direcção à Unidade, que acontece pela transmutação das polaridades opostas, de volta ao Um, num processo de triangulação. Durante este processo, o Universo contrai-se à medida que se funde e depois desaparece, reabsorvendo-se na Fonte. Então, outro Universo é criado e continua em ciclos de expansão e contracção, divisão e fusão, também chamado de Grande Respiração.

Estamos agora no momento entre a divisão máxima e o começo da fusão novamente, a pequena pausa entre expiração e a inspiração. Este Universo, este ciclo de expansão, tem cerca de 14.000 milhões de anos e, à medida que nos aproximamos do fim da expansão e do início da contracção, a Fonte criou um enorme vórtice de triangulação com o propósito de transmutar a anomalia, pela fusão das polaridades opostas.

Existem dois pólos opostos, atracção e repulsão, repelente dipolo e o atractor de Shapley como são chamados, e são eles que criam esta gigantesca bateria Universal de evolução. A nossa galáxia está situada exactamente no meio entre os dois pólos opostos - o terceiro ponto no triângulo onde as polaridades opostas se unem e evoluem de volta para a Unidade.

https://phys.org/news/2017-01-galaxy-space.html

Esta é a razão pela qual as trevas existem aqui nesta parte do Universo, e a queda dos anjos que tentaram transmutar a anomalia à 8 milhões de anos atrás, enquanto a anomalia continua e resolve-se aqui

http://recreatingbalance1.blogspot.com/2015/02/contingency.html

A constelação de Órion é especialmente um complemento neste processo. A estrela central do cinturão de Órion, chamada de portal estelar AN, está geometricamente situada no meio entre vários conjuntos de duas estrelas opostas da constelação de Órion, cuja a forma espelha a forma o campo do toro do vórtice repelente atractor Dipolo de Shapley. Também está no meio entre Sirius e Aldebaran. É por isso que muitas civilizações da antiguidade construíram estruturas que espelhavam as estrelas do cinturão de Órion.


http://recreatingbalance1.blogspot.com/2016/05/an-conversion.html
http://reencontrandoadeusa.blogspot.pt/2016/05/untwine-conversao-an.html

Este processo tem muitas aplicações na nossa vida, tal como Pitágoras ensinou, todo problema pode ser resolvido compreendendo e abraçando o seu aspecto triangular.

O primeiro aspecto chave é a Alma que se divide em duas pessoas de polaridades opostas (almas gémeas) quando encarnam. Isto cria a triangulação masculino-feminino-um, no qual está espelhada nos nossos corpos, kundalini (sushumna-ida-pingala), pineal-pituitária, etc. A fusão interna das energias masculina e feminina faz com que os corpos inferiores sejam capazes de receber a presença da Alma (que contém as duas polaridades unidas), e a interacções saudáveis exteriores entre masculino e feminino podem ajudar a desencadear este processo:

http://2012portal.blogspot.com/2018/04/soul-families.html
http://reencontrandoadeusa.blogspot.pt/2018/04/cobra-familias-de-alma.html

Este processo também se aplica a outros aspectos da nossa vida, onde buscamos soluções ou evolução, podemos encontrar sempre os dois princípios opostos. A chave é não polarizar a situação em nenhuma direcção, mas entender e abraçar o propósito inerente a ambos os lados.

Isso aplica-se na transmutação das trevas ou em situações negativas. Muitas pessoas tendem a polarizar as situações, negando-as e/ou ignorando-as, desejando que elas desapareçam sozinhas sem direccionar energia a elas, ou por estarem muito absorvidas e concentradas no problema, acabando por se perder e/ou ficarem sem esperança dentro das limitações do problema. A chave é o 'Caminho do Meio', que não nega o problema e, ao mesmo tempo, não aceita a sua negatividade e/ou limitações. Face a isto, a solução está no assumir o nosso poder pessoal, a nossa presença EU SOU, e decretar, comandar, invocar a Luz, a solução, para governar e resolver a situação.

Seguindo este princípio podemos resolver situações pessoais e planetárias, e evoluir mais e mais no processo da ascensão.




Vitória da Luz!